Sixth

gramados, campos de futebol, paredes verdes

Publicações

Sempre atualizando informações


A Terra está perdendo sua escuridão

26/11/2017
rainbirdrj
1 comentário
Bookmark and Share

Noite na TerraA poluição luminosa da Terra está em alta, com implicações para o meio ambiente e a saúde humana dizem os cientistas.

Um novo estudo usando dados de satélite descobre que superfícies da terra artificialmente iluminadas  se espalham e crescem mais brilhantes, produzindo mais poluição luminosa à noite. As luzes artificiais estão comendo as noites escuras – e isso não é uma coisa boa

As descobertas, descritas na revista Science Advances, acompanham o que os pesquisadores chamaram de tendência preocupante que tem implicações tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana.

“Isso é preocupante, é claro, porque estamos convencidos de que a luz artificial é um poluente ambiental com implicações ecológicas e evolutivas para muitos organismos – desde bactérias a mamíferos, inclusive nós humanos – e pode reformular sistemas ecologicamente sociais inteiros”, Franz Holker do Leibniz-Institute of Freshwater Ecology and Inland Fisheries, um dos autores do estudo, disse em um briefing.

a Terra iluminadaGraças às luzes elétricas, a iluminação externa cresceu a uma taxa de 3 a 6 por cento ao ano na segunda metade do século XX. Embora isso tenha beneficiado a produtividade e a segurança humanas, veio com um lado sombrio: a noite, a terra já não é suficientemente escura.

Metade da Europa e um quarto da América do Norte experimentaram ciclos luz-escuro modificados de forma séria, escreveram os autores do estudo, chamando-a de uma perda “generalizada” da noite “.

Esta poluição luminosa pode ter sérias conseqüências para os seres vivos, que evoluíram de acordo com um ciclo natural do dia-a-noite, onde as únicas principais fontes de luz à noite teriam sido a lua ou mais fontes intermitentes, como vulcões, raios, incêndios ou auroras.

“De uma perspectiva evolutiva, agora, a luz artificial à noite é um estressante muito novo”, disse Holker. “O problema é que a luz foi introduzida em lugares, tempos e intensidades em que não ocorre naturalmente, e muitos organismos não tiveram chance de se adaptar a este novo estressor”.

poluicao luminosa na terraEsse é um grande problema, já que 30 por cento dos vertebrados e mais de 60 por cento dos invertebrados são noturnos, ressaltou. Pode afetar plantas e até micróbios. Também pode prejudicar as interações vitais entre espécies, como a polinização de plantas e a propagação de sementes por criaturas noturnas chave.

“Ele ameaça a biodiversidade da terra através de hábitos noturnos alterados, como padrões de reprodução ou migração, de muitas espécies diferentes: insetos, anfíbios, peixes, pássaros, morcegos e outros animais”, disse ele.

Os seres humanos também são impactados pela luz artificial porque existem certos processos fisiológicos que acontecem durante o dia e certos que acontecem à noite – e eles muitas vezes trabalham uns contra os outros, disse Holker. É por isso que trabalhar contra os nossos relógios biológicos durante a noite (por exemplo, como os trabalhadores do turno da noite devem) podem resultar em vários tipos de problemas, desde sintomas semelhantes a depressão até obesidade e diabetes.

E, claro, quanto mais poluição luminosa existe, menos estrelas podemos ver – o que torna difícil para os astrônomos estudar os céus com telescópios terrestres.

Para descobrir se a demanda humana por luz ainda está aumentando ou se nivelando, uma equipe internacional de cientistas usou o Visibly Infrared Imaging Radiometer Suite, também conhecido como VIIRS, um sensor de satélite que é uma colaboração entre a NASA e o National Oceanic and Atmospheric Administração.

Os pesquisadores estudaram dados a partir do mês de outubro de cada ano de 2012 a 2016. Eles descobriram que, ao longo desse tempo, a superfície exterior iluminada artificialmente da Terra cresceu 2,2% por ano, e o brilho total cresceu 1,8% ao ano. Além disso, as áreas ao ar livre que já foram acesas quando o estudo começou em 2012 também se iluminaram 2,2% ao ano.

O crescimento mais rápido ocorreu em países em regiões em desenvolvimento, como Ásia, África e América do Sul. Países que já estavam iluminados, como os Estados Unidos e a Espanha, pareciam estáveis. Um pequeno número de países devastados pela guerra, como o Iêmen e a Síria, viram uma queda em seus níveis artificialmente iluminados.

Mas mesmo nesses países bem iluminados que pareciam estáveis, os níveis de luz provavelmente ainda estão em ascensão, disseram os cientistas.

Isso ocorre porque muitas cidades bem iluminadas estão substituindo as luzes de sódio amarelo-laranja com luzes LED de economia de energia. Essas luzes de sódio apagaram uma pequena quantidade de radiação infravermelha, o que os tornaria mais brilhantes para VIIRS. As luzes LED de tons brancos têm mais comprimentos de onda azuis, que VIIRS não consegue ver. A combinação de perder o sinal infravermelho e não poder ver os comprimentos de onda azuis significa que o VIIRS registra essas áreas como dimmer, mesmo que possam ser mais brilhantes do que antes.

“Isso significa que esta medida que estamos relatando é um limite menor sobre como a luz da Terra está aumentando”, disse o líder do estudo, Christopher Kyba, do Centro Alemão de Pesquisa de Geociências. “E de fato, o verdadeiro aumento que um ser humano perceberia é realmente maior que o que relatamos aqui”.

Os pesquisadores há muito suspeitaram que a introdução de LEDs significaria menos energia usada para iluminação, disse ele. O problema é que isso também torna a iluminação mais barata.

“Sempre que você faz as luzes mais eficientes, você simplesmente não economiza energia”, disse Kyba. “O que acontece é que as pessoas colocam mais luzes”.

A luz azul nesses LEDs também é particularmente perturbadora para muitos animais noturnos, disseram pesquisadores.

Existem algumas soluções possíveis, disse Kyba, como o uso de LEDs que não possuem um componente azul. Há também maneiras de posicionar e gerenciar fontes de luz existentes – digamos, as lâmpadas em um estacionamento – para que elas não sejam tão brilhantes, mas ainda são eficazes.

Tais soluções poderiam poupar muito dinheiro às cidades, acrescentou.

“Estamos muito interessados ​​em trabalhar em conjunto com as cidades e com os governos locais, com parceiros da indústria, para tentar encontrar maneiras de eventualmente reverter essa tendência”, afirmou.

Amina Khan Los Angeles Times – 

Gostou do artigo? Para receber atualizações e novidades, informe seu email no campo abaixo.

[wysija_form id="2"]

Comentários

  1. Pedro Gomes disse:

    Estamos artificialidade tudo. Vejo que os insetos são um dos seres que mais perdem com a crescente luminosidade do planeta. Essa diminuição de população de insetos vem a afetar a polinização das plantas. Vendo imagens noturnas de satélites das partes luminosas observa se áreas gigantescas. Chegando a emendar várias áreas. Pergunta. Será a Terra num futuro um planeta todo iluminado?

Escreva um comentário

Comentário