Sixth

para manter seu gramado sempre verde sem desperdicio de agua e luz, ligue agora – 21 2430-3322 _/_ vendas@irricomrio.com.br

Publicações

Sempre atualizando informações


Irrigação para paredes verdes

10/08/2015
rainbirdrj
1 comentário
Bookmark and Share

IRRIGAÇÃO PARA PAREDES VERDES E VASOS.
Soluções em Irrigação Rain Bird

Por José Giacoia Neto – Gerente Geral Rain Bird Brasil

A Irrigação para Paredes Verdes ou paredes vivas tem quer ser obrigatoriamente irrigação de baixo volume.

Ainda não conhecido por muitas empresas de irrigação, paisagistas e consumidores. Como o próprio nome diz, se trata de uma irrigação em que os emissores possuem baixa vazão de aplicação de água e onde também trabalhamos com pressões mais baixas.

Uma das características deste sistema é a forma de aplicação de água que pode ser variada, porém sempre preocupando com a necessidade individual de cada espécie de planta.

Existe uma tendência a chamar este segmento da irrigação para jardins verticais de “ irrigação localizada” porém não utilizamos esta nomenclatura para não se confundir com os emissores de baixo volume de agricultura, que apesar de serem semelhantes e alguns até idênticos, não possuem as mesmas características estéticas além de não terem a mesma quantidade e variedade de modelos.

Um erro comum na irrigação de paredes verticais é tratar todas as plantas como sendo idênticas e esquecer também o fator da gravidade. Que quando o sistema é desligado temos o esvaziamento da rede de água. A própria disposição e altura da parede também gera uma necessidade de água diferente devido a fatores de microclima, pois sempre a parte superior da parede necessita de mais água que a parte do meio que, por sua vez, necessita de mais água que a parte inferior.

Podemos ter  plantas com necessidade de água totalmente diferentes em uma mesma parede. Para isto temos os emissores auto-compensantes.

Emissores auto-compensantes são aqueles que mantém a vazão de aplicação de água constante, ou seja, ele calibra a quantidade de água que sai dele bem como a pressão. Isto significa que podemos aplicar 4 litros de água em um vaso e em um outro aplicar 12 litros tudo isto em um mesmo intervalo de tempo. Isto viabiliza a irrigação de vasos de diferentes tamanhos e com as mais diversas espécies através de um mesmo sistema de irrigação.

Portanto, quando falamos de irrigação de baixo volume, estamos direcionando a irrigação de pequenos espaços como jardineiras, casas de vegetação, orquidários, jardins de inverno, jardins de edifício e etc. Em situações específicas estes projetos podem abordar áreas maiores.

Quando mencionamos estes sistemas estamos falando de sofisticação, instalações rápidas e um custo menor quando comparado aos sistemas tradicionais.

As empresas que já estão empregando esta metodologia de irrigação estão, com certeza, a frente das demais.

Os emissores de baixo volume se dividem em dois grupos: Pontuais (gotejadores e alguns modelos de borbulhadores) e Abrangentes (microsprays, borbulhadores, etc).

Agora iremos apresentar os dois mais simpáticos e populares emissores de baixo volume: Os Borbulhadores e os Microsprays.

São muitas vezes preferidos aos gotejadores devido ao fato de oferecer visualização da água sendo aplicada e permitirem que grande parte da instalação seja enterrada, proporcionando uma instalação discreta. São bonitos e agradáveis de ver em funcionamento.

Os Borbulhadores são emissores extremamente versáteis e que permitem um grande número de aplicações e de instalações. Eles podem ser pontuais e/ou abrangentes. Possuem aplicação principal em jardins pequenos, vasos, jardineiras. Podem irrigar plantas isoladas ou maciços de plantas. Temos dois modelos básicos:

 

Borbulhador de respingo: Geralmente disponíveis em modelos de 1800 e de 3600. Lançam a água em forma de pequenos jatos com gotas de maior diâmetro que os sprays. Ideal para uso em jardineiras suspensas, vasos e pequenos jardins. Possuem raio e vazões reguláveis. O raio de alcance pode ser ajustado de 0 a 80 cm e a vazão de 0 a 49 lph (litros por hora). Esta regulagem é que permite sua aplicação nos jardins e vasos das mais variadas formas e dimensões. Eles possuem a vantagem de formarem vários bulbos disponibilizando água para as raízes das plantas

Borbulhador de respingo

 

Fig. 1 – Borbulhador de respingo

 

Borbulhador do tipo “Sombrinha”: Este emissor realmente é o que mais faz jus ao nome, pois dependendo da regulagem, assume a forma de bolha.  Pode também ser utilizado em jardineiras com o objetivo de irrigar várias plantas, mas a sua aplicação ideal é na irrigação de pequenos arbustos, árvores e plantas isoladas. Seu raio máximo de alcance é menor e sua vazão pontual é maior. Possuem raio de alcance de 0 a 0,60 m e vazão variando de 0 a 132,5 lph. Portanto é recomendando para plantas que necessitam de alta taxa de aplicação de água e irrigação em pequenos espaços de tempo como jabuticabeiras.

 

Borbulhador tipo sombrinha

Fig. 2 – Borbulhador tipo sombrinha

 

Os Microsprays também possuem possibilidade de ajustes de raios são versáteis e possuem as mais diversas aplicações.  Podem ser utilizados em pequenos jardins, casas de vegetação, pequenos gramados, pomares e plantios densos. São viáveis em jardins de dimensões maiores de onde são aplicados os borbulhadores, uma vez que possuem maiores raio de alcance (até 4 m) e podem ser instalados com maiores espaçamentos entre emissores. Temos três modelos básicos:

Microsprays de jato cheio: Possuem a emissão de água como se fossem aspersores sprays, porém com vazão baixa e diâmetro de gotas pequeno. Temos três ângulos de atuação: 900, 1800 e 3600. Em altas pressões podem emitir uma névoa e sua aplicação passa a ser para irrigação de casas de vegetação e estufas. O modelo de 3600 é o mais versátil de todos e pode até se transformar em um borbulhador através de sua regulagem. Possuem raio de alcance variando de 0 a 4,1 metros e vazão variando de 0 a 117 lph.

 

micro spray para plantas diferentes

Fig. 3 – Micro-spray em funcionamento

Microspray raiado: Possuem emissão de água em forma de jatos direcionados: Ideal para floreiras e também para maciços de plantas. Possuem raio de alcance até 4 m e vazão de 117 lph.

São os emissores que possuem melhor desempenho para aplicação em frutíferas e pomares não gramados. A título de curiosidade são também utilizados para resfriamento de telhados.

Microsprays nebulizadores: Este possui aplicação específica e funciona somente para nebulização. Emite água em forma de um cone de névoa de no máximo 1,2 m de diâmetro. São ideais para casas de vegetação e estufas. Este é melhor para utilização em painéis e áreas externas onde não temos que nos preocupar muito com umidade externa a parede.

Alguns experimentos comprovam que este emissor aplicando água diretamente na primeira linha de vasos melhora muito a irrigação de uma parede viva quando combinado com os gotejadores.

nebulizadores cantos, formas irregulares ou tiras

 

Fig. 4 – Parede verde externa com micro-spray em funcionamento

 

                        Gotejadores:

O primeiro emissor de baixo volume inventado foi o gotejador. Ele foi concebido em Israel e sua primeira aplicação foi, obviamente, para irrigação agrícola. Os gotejadores foram inventados no início dos anos 60.

Como o próprio nome diz, trata-se de um emissor que emite gotas para realizar a irrigação. Sua instalação é realizada de forma a aplicar água diretamente na zona radicular das plantas. No nosso caso aplicamos água diretamente em uma planta podendo ela estar fazendo parte de um jardim ou isolada em um vaso.

Como em irrigação para jardins procuramos sempre a discrição nas instalações temos diversas formas de instalar estes emissores. Antes, vamos apresentar os modelos existentes de gotejadores:

Gotejador unitário ou botão: Estes produtos são comercializados separadamente ou vendidos já inseridos nas tubulações. É o modelo de gotejador mais indicado para irrigação de vasos e/ou plantas isoladas (arbustos e árvores),  dentro de um projeto de paisagismo.  São comercializados em vários modelos e fabricantes e possuem vazão específica de trabalho. Por exemplo: Temos modelos de vazão de 2 litros por hora (2 lph), 4 lph, 8 lph, etc.

Estes emissores quando vendidos separadamente são inseridos diretamente na tubulação de polietileno que conduz a água ou levado até os locais de rega através de micro tubos.

Este é a melhor solução existente para irrigação de paredes verticais com vasos individuais.

Eu me atrevo a dizer que deveriam sempre ser levados em consideração.

 

gotejador de botão autocompensanteFig.5 – Gotejador de botão autocompensante

gotejaor de botao auto compenssanteFig. 6 – Gotejador instalado em vaso de parede verde

Irrigação de terrenos e paredesFig. 7 – Vista geral de parede verde por gotejamento de botão

revestimento externo de prediosFig. 8 – Predio revestido com parede verde

Irrigação de parede verde
Fig. 9 – Parede verde em instalação com sistema de irrigação

 

 Tubo Gotejador: Tubo de polietileno gotejador no qual o gotejador está inserido no interior do tubo através de uma tecnologia própria. Ou seja, no processo de fabricação já se instala o gotejador na tubulação, podendo ser no interior do tubo ou já fazendo parte da própria parede da tubulação como no caso das fitas. Este tipo de emissor é mais utilizado para irrigação de maciços de pequenos arbusto e forrações vegetais. Um exemplo típico é a irrigação de cercas vivas. Neste caso são fabricados em diversos espaçamentos entre emissores e vazões diferenciadas. Para paisagismo são mais recomendados os de espaçamento de 30 e 20 cm entre emissores. A vazão por emissor pode variar de 1 a 4 lph. O motivo do pequeno espaçamento está relacionado à densidade de plantio que encontramos em paisagismo o que nos leva a necessitar de menores espaçamentos e também de menores tempos de irrigação.

Dentro destes dois modelos temos também duas variedades básicas:

Gotejadores Autocompensantes: gotejadores que dentro de uma faixa de pressão fornecem a mesma vazão.

Gotejadores Regulares: gotejadores que com a variação de pressão há uma variação na vazão.

 

Variações de gotejadores auto compensantes

 

Fig. 10 – Tubo gotejador para paisagismo

 

 

Estes tubos gotejadores são indicados para paredes viva em forma de calhas em cerâmicas. Como as fabricadas pela Greenwall.

Geralmente utilizamos gotejadores autocompensantes em locais onde temos vazões diferentes (necessidades de água diferente por planta) em um mesmo setor. Exemplo: Irrigação de vasos diferentes ao mesmo tempo.

No caso de jardineiras e/ou pequenos maciços podemos utilizar gotejadores regulares que funcionam com pressões menores que é uma situação comum encontrada em pequenos jardins.

 

Borrifadores ligam em jardineiras

 

Fig.11 – Prédio com irrigação por tubo gotejador

 

O gotejador é uma excelente solução para a irrigação de pequenos espaços, maciços de plantas, plantas isoladas e vasos. Podemos viabilizar irrigação em áreas onde jamais poderíamos imaginar antes. Exemplo: Irrigação em vasos em um poste.

irrigaçãoem vasos em area urbana

Fig. 13 – Exemplo de solução de irrigação em vasos por borbulhadores em área urbana

 

Acessórios, conexões e instalação

Depois de apresentarmos os emissores básicos para irrigação de baixo volume, vamos agora apresentar acessórios, conexões e opções de instalação destes equipamentos.

Esta técnica de irrigação possui em sua linha de produtos muita flexibilidade e várias opções de instalação que permitem a instalação nas mais diversas situações e necessidades.

A instalação do sistema pode ser feita com a utilização de tubos rígidos de PVC e conectando-se aos emissores somente com adaptadores e conexões.

O mais comum é o uso de tubos de polietileno de baixa e média densidade. Muitas vezes estes tubos são chamados vulgarmente de “mangueiras”, não é correto utilizar esta terminologia pois as características destes materiais devem ser apropriadas para a utilização em sistemas de irrigação. Encontramos muitos tubos de péssima qualidade no mercado e, também, profissionais indicando produtos errados somente para terem vantagens de preço na venda ao consumidor.

gotejadores em vasos de paredes verdesFig. 14 – Detalhe de instalação de gotejadores em vasos em uma parede verde

gotejador de água

Fig. 15 – Detalhe do gotejador

 

A grande vantagem de se utilizar o polietileno é a sua flexibilidade de instalação e as ferramentas disponíveis para efetuar cortes e conexões. Temos por exemplo, conexões de múltiplos diâmetros que aceitam diâmetros de tubos diferentes e, consequentemente, diminuem o número de peças nos sistemas. Estas conexões também aumentam a velocidade de instalação que pode chegar a ser duas vezes mais rápidas que as instalações tradicionais.

Uma vez definida a tubulação, passamos a escolha da forma e necessidade que os emissores devem ser instalados. Podemos ter uma situação em que os emissores devem ser instalados de forma mais discreta, neste caso temos adaptadores para instalá-los com estacas e pequenas hastes de forma que fiquem discretos dentro do paisagismo que estão irrigando.  .

Temos também os microtubos que auxiliam a instalação dos emissores em vasos e para condução de pequenos volumes de água a locais específicos e de localização isolada.  Para estes microtubos temos também conexões específicas para facilitar a sua instalação.

Um equipamento extremamente interessante para efetuarmos irrigação em pequenos espaços que possuem variedades de plantas com necessidades de água totalmente diferentes, são os emissores de múltiplas saídas com calibração de vazão por saída. Ou seja, podemos ajustar a vazão da saída de água de acordo com a necessidade de cada grupo de plantas. Isto viabiliza que todas as plantas sejam irrigadas ao mesmo tempo porém com cada uma recebendo a quantidade de água específica de consumo.

 

 

instalação com microtubo

Fig. 17 – Exemplo de instalação com microtubo, estaca e difusor

 

Mesmo na parte da automação temos diversos tipos de controladores que permitem a irrigação de pequenos espaços de forma econômica e segura. Para onde temos apenas pontos isolados o ideal é a utilização de um controlador a bateria

Em obras maiores, temos a utilização de automação tradicional e até mesmo por controles centrais devido a necessidade de monitoramento e o porte da obra.

 

 

 

controlador para irrigaçãoFig. 18 – Controlador a pilha

A conclusão final é que temos recursos e equipamentos que permitem as mais diversas necessidades e formas de aplicação. Para o cliente final, o importante e verificar se o fabricante possui uma linha que oferece estas vantagens e se possui produtos de qualidade. Para as empresas de irrigação, o importante é ter conhecimento destas técnicas e alternativas para termos a instalação e o projeto adequados e dimensionados de forma a satisfazer a necessidades das plantas e dos usuários do sistema.

 

 

Gostou do artigo? Para receber atualizações e novidades, informe seu email no campo abaixo.

Comentários

Escreva um comentário

Comentário