Sixth

gramados, futebol, paredes verdes, aspersores, bocais, válvulas. 21 2430-3322 _/_ vendas@irricomrio.com.br

Publicações

Sempre atualizando informações


Dr. Douglas Campos: aumento alarmante em Shark Fatal Ataques World-Wide: cortes Ci?ncia atrav?s da histeria por respostas

31/10/2011
rainbirdrj
Nenhum comentário
Bookmark and Share

Autoridades na Austr?lia Ocidental

ter falhado em sua tentativa de ca?ar e matar um grande tubar?o branco que tirou a vida de um mergulhador de 32 anos de idade, americano, George Wainwright no s?bado. Este ? o quarto ataque fatal de tubar?o na Austr?lia nos ?ltimos 14 meses – tr?s vezes a m?dia anual. Houve 13 mortes por ataque de tubar?o em todo o mundo este ano, e as estat?sticas mostram que o n?mero de ataques de tubar?es aumentaram de forma constante ao longo de d?cadas.

John West, do Zool?gico Taronga, na Austr?lia e curador do Arquivo Australiano de Ataque de Tubar?es, indicou em um e-mail para este artigo que os n?meros de ataque do tubar?o na Austr?lia tem aumentado progressivamente ao longo dos ?ltimos 20 anos. “Estamos falando de uma m?dia de 4,6 casos por ano na d?cada de 1970, 6,4 em 1980, 8,2 na d?cada de 1990, e 16,1 casos por ano nos anos 2000.”

George Burgess, pesquisador de tubar?es e curador do Arquivo Internacional de Ataque de Tubar?es, no Museu de Hist?ria Natural da Fl?rida, confirma uma tend?ncia semelhante de seus dados. “Se olharmos para os ?ltimos onze d?cadas de 1900 a 2010, o que se constata ? que h? um aumento no n?mero de ataques a cada d?cada, sem falhar, o que sugere para o espectador casual, que estamos sob cerco”, , diz ele.

Existe uma explica??o cient?fica para esses dados alarmantes e ? alta nos ?ltimos ataques de tubar?o fatal?

Sim, ambos os especialistas concordam. O aumento constante ataques de tubar?o ? facilmente explicado pelo aumento da popula??o humana ea crescente popularidade dos esportes relacionados com a ?gua e atividades recreativas. “O aumento nos ataques de tubar?o ? em grande parte uma fun??o da demografia humana e crescimento. O n?mero de chegarmos em um determinado ano ? puramente uma fun??o de quantas pessoas entraram na ?gua”, diz Burgess.

H?, no entanto, alguns novos padr?es emergentes a partir de dados Burgess sobre ataques de tubar?o. “Houve um aumento este ano [em ataques de tubar?o] em uma s?rie de ?reas onde n?o t?m tido tradicionalmente tais ataques, sem d?vida, por tubar?es brancos, mais notavelmente as tr?s s?ries de ataques na R?ssia em ?reas de ?gua fria na maioria das vezes “, diz ele. Isso, explica ele ? devido ao aquecimento das ?guas, possivelmente associados ao aquecimento global, que est?o permitindo que os tubar?es para expandir a sua gama mais ao norte e ao sul em ?guas que normalmente n?o v?o, e tamb?m porque a ?gua mais quente induz as pessoas mais entrar no mar.

Ao contr?rio

?s cenas sensacionais no filme Tubar?o retratando tubar?es man?aco perseguindo e aterrorizando os banhistas, a maioria dos ataques a humanos s?o erros. “Todos n?s precisamos lembrar que n?o somos uma parte natural do ambiente marinho”, Burgess assinala. “Assim, portanto, n?o s?o suscept?veis de ser um alimento preferido de qualquer animal no mar, simplesmente, porque somos objetos estranhos cada vez que s?o encontrados. Na verdade, mais comumente os tubar?es se afastar? de n?s como n?s representamos uma entidade desconhecida e a rea??o natural ? mostrar cautela. “

“Aqui na Fl?rida, onde temos mais mordidas de tubar?o do que em qualquer outro lugar do mundo Essas intera??es s?o quase certamente equivocada de identidade, porque os animais envolvidos s?o pequenos -. p?s seis ou menos em tamanho – e as esp?cies de tubar?es que s?o normalmente os comedores de camar?o que normalmente n?o ir atr?s presas de grande porte. Seus dentes n?o s?o projetados evolutivamente para rasgar, mas sim para agarrar e engolir todo. ” Quando esses tubar?es alimentam na zona de rebenta??o tenebroso onde os empurr?es das ondas e correntes obriga-os a confiar em pega r?pida para alimentar, uma perna flailing ou bra?o de um banhista brincando no surf podem ser confundidos com presas normais do animal.

H? exce??es, entretanto. “Outros animais, como tubar?es brancos, tubar?es-tigre, tubar?o touro, de grande porte cujos dentes s?o projetados para corte, que normalmente v?o atr?s presa grande pode em alguns casos, v?em os humanos como simplesmente representando uma imagem de tamanho adequado e, talvez, apropriadamente behaviored do normal presa item. ” A silhueta de surfista em um wetsuit preto remando na superf?cie pode assemelhar-se um selo, por exemplo. “Voc? n?o pode descartar todos os tubar?es touro e ataques de tubar?o branco em humanos como casos de erro de identidade; um ser humano simplesmente parece algo digno de um julgamento.”

que pode ser feito para prevenir tais ataques predat?rios em seres humanos? Alguns, como aconteceu ap?s o recente ataque fatal na Austr?lia, argumentar a favor de “abate” a popula??o de tubar?es e ca?ar e matar o tubar?o assassino suspeita. Isso, argumenta Burgess, ? f?til.

“Obviamente, tentando matar o assassino ? apenas realmente um desperd?cio de tempo e recursos p?blicos, simplesmente porque voc? n?o consegue identificar o tubar?o individual de qualquer outra forma de matar o tubar?o e abrir a barriga e esperam encontrar um peda?o do ser humano nele. Isso ? um tiro no escuro. As chances de encontrar um assassino s?o praticamente nulas. “

A dificuldade de identificar o assassino, que folclore popular teria aterrorizando a comunidade local costeiras, ? agravado pela biologia dos tubar?es de grande porte. “Os tubar?es brancos s?o altamente m?veis e movem-se 4-50 milhas por dia. Ent?o, as chances de o tubar?o assassino ser pego depois de um ataque s?o praticamente nulas, porque esse animal tem, provavelmente, muito longe.”

Al?m disso, esse olho-por-olho-abordagem para ataques de tubar?o pode ter devastadores efeitos ecol?gicos. Os estudos de Gregor Cailliet, Professor Em?rito, Moss Landing Marine Laboratories e Director do Programa para o Tubar?o Pacific Research Center, puseram em evid?ncia a vulnerabilidade dos tubar?es ? preda??o por seres humanos, porque ao contr?rio de muitos peixes, tubar?es demoram muito tempo para atingir a maturidade sexual e mais esp?cies s? tem um pequeno n?mero de descendentes. “Na minha opini?o Jaws (o filme) e Semana do tubar?o, etc, n?o s?o coisas boas, mas a situa??o sensacionalismo”, diz ele.

Al?m disso, o n?mero de esp?cies de tubar?o que s?o perigosas ? extremamente pequeno. “Lembre-se h? quase 1.200 esp?cies de tubar?es, raias e quimeras em todo o mundo e os tubar?es brancos, touro e tigre [mais frequentemente implicados em ataques a seres humanos] s?o apenas tr?s dessas”, observa Cailliet.

O

especialistas aconselham que a compreens?o e respeitando a biologia e ecologia de tubar?es pode permitir a evitar tornar-se isca de tubar?o.

“As pessoas precisam usar o bom senso para decidir onde e quando estar na ?gua e fazer o que. Por exemplo, ?reas onde pin?pedes [focas e le?es-marinhos] t?m pupping motivos, e muitas vezes fora dos pontos costal leitos de algas, s?o “pontos quentes” off Calif?rnia, diz o professor Cailliet.

O ataque mais recente fatal sobre o mergulhador na Austr?lia ocorreu em uma ?rea onde tubar?es brancos teria sido esperado para ser a alimenta??o. “O lugar onde ele estava [atacado] estava perto de uma col?nia de focas. Vemos uma s?rie de ataques de tubar?o contra humanos em torno de col?nias de focas”, diz Burgess.

Al?m disso, o local do ataque est? na rota migrat?ria de baleias. “As baleias se movem atrav?s desta ?rea nesta ?poca do ano, a cada ano, e onde h? baleias migrat?rias existem tubar?es brancos seguinte Vemos esse direito ao longo da nossa costa -. Costa Leste – no inverno, como o Direito Baleias cabe?a sul fora da Ge?rgia e da Fl?rida, tubar?es brancos segui-las tamb?m. A ?nica vez que vemos tubar?es brancos na Fl?rida ? no tempo de inverno, quando eles seguem as baleias para baixo. ”

Tamb?m aparece a partir de relat?rios iniciais que este mergulhador estava engajada em pesca submarina. Se assim for, esse ataque seria classificado nos arquivos de ataque de tubar?o como um “ataque provocou”, porque o sangue e os movimentos fren?ticos de lanceado peixe iria atrair os tubar?es para a ?rea e provoc?-los para se alimentar.

“Os tubar?es t?m mais a temer dos seres humanos do que os seres humanos t?m de tubar?es”, observa John McCosker, especialista em tubar?es brancos na Academia de Ci?ncias da Calif?rnia, na Calif?rnia. Ele aconselha as pessoas a evitar ?reas onde h? um hist?rico de ataques, e que a emo??o em busca de novos “mergulhos do tubar?o” que est?o sendo oferecidos mergulhadores aventureiros vai contra o senso comum. “Eu suspeito que isso est? contribuindo para uma percep??o realista dos riscos associados a tal estupidez,. Contudo, surpreendente, eu n?o estou ciente de um aumento significativo de ataques [em mergulhos tais] O risco de mergulhar com tubar?es brancos no Nordeste Pac?fico, como ? feito na Calif?rnia e Ilha Guadalupe, no M?xico, vai aumentar se as pessoas pensam que ? seguro deixar a prote??o de uma gaiola. ”

Uma das necessidades para manter o risco de ataque de tubar?o em perspectiva. Estes s?o eventos muito raros. “Nos ?ltimos 50 anos h? uma m?dia de cerca de uma pessoa morta por um tubar?o a cada ano na Austr?lia, mas tamb?m h? uma m?dia de 87 pessoas que se afogam todos os anos em nossas praias [na Austr?lia], diz John West.

Todos os

das autoridades tubar?o consultados para este artigo concordam que a popula??o em geral tem uma vis?o distorcida e sensacionalista de tubar?es. “Acho que as ?nicas palavras que a maioria das pessoas ouvem ou l?em e reter s?o” perigosos “e” predador “, mesmo quando um artigo ou document?rio ? equilibrada,” West diz. “De todas as pessoas com quem falei sobre meus 40 anos envolvido com tubar?es, 99,5% nunca viram um tubar?o vivo selvagem ainda 99% t?m medo de tubar?es – de onde eles tiram esse medo de que eu acho que ? a m?dia e? filmes associados. ”

Pessoas

parecem ter esquecido os fatos biol?gicos b?sicos com respeito aos seres humanos e tubar?es. “Quando entramos no mar, n?s precisamos entender que estamos visitando um ambiente estranho”, Burgess assinala. “Somos animais terrestres. Nossa evolu??o ocorreu em terra. N?s n?o temos guelras. N?o podemos nadar muito bem, e como tal cada vez que entramos no mar ? uma experi?ncia no deserto para n?s. Uma das impress?es equivocada de que n?s, como seres humanos ? que s?o devidos se o direito de ser seguro 100 por cento do tempo onde quer que v? no mundo Esta ? uma vis?o muito altiva que os seres humanos -. que dever?amos ser capazes de controlar todas as fases do mundo em que vivemos pol No mar devemos aceitar uma certa quantidade de risco, e cabe-nos a reduzir as chances de risco por ser inteligente. Mas qualquer maneira que voc? olha para ele, quando voc? entrar no mar ? uma experi?ncia no deserto. ”

Gostou do artigo? Para receber atualizações e novidades, informe seu email no campo abaixo.

[wysija_form id="2"]

Escreva um comentário

Comentário