Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Sixth

irrigação para gramados, campos de futebol, paredes verdes

Publicações

Sempre atualizando informações


Deserto do Saara movendo-se para Portugal

24/11/2017
rainbirdrj
Nenhum comentário
Bookmark and Share

Portugal pode ter um desertoO deserto do Saara está se movendo para o norte de acordo com o especialista nacional, líder em mudanças climáticas que advertiu que a Península Ibérica poderá enfrentar em breve períodos de secas que podem durar até oito anos, à medida que o clima de Portugal se torna cada vez mais parecido com os climas áridos da África do Norte.

O respeitado professor e pesquisador Filipe Duarte Santos pregou nesta semana que, devido ao avanço dos deserto no norte da África, o clima de Portugal está se tornando cada vez mais semelhante ao de Marrocos, Argélia ou Tunísia.

Seus comentários foram feitos poucos dias antes de Portugal ser envolto por uma massa de ar quente e pegajosa que viaja para o sul das Ilhas Canárias, pressionando os termômetros por alguns graus na quinta e sexta-feira.

Duarte Santos, professor da Universidade de Ciências de Lisboa e chefe do Conselho Nacional do Meio Ambiente, falou em uma mesa redonda em Évora na quarta-feira, sobre adaptação às mudanças climáticas. A reunião foi realizada como parte de um Encontro Nacional de Entidades de Água e Saneamento (ENEG 2017), que reuniu centenas de especialistas em água.

O especialista enfatizou a forma como a mudança do clima poderia influenciar o setor de água no país, enfatizando: “As mudanças climáticas podem ser vistas na ampliação da zona climática tropical; O deserto está sendo empurrado para o norte. É essencial que o setor de água leve em consideração esta mudança climática “. Expandindo seus comentários, ele acrescentou que, como Portugal é “um país idoso, não é fácil para as pessoas aceitarem que este país está se alterando e que o clima muda”.

O principal pesquisador, que liderou um dos principais projetos de mudanças climáticas de Portugal – o projeto de cenários, impactos e medidas de adaptação (SIAM) – advertiu ainda que os sistemas de irrigação do país a médio e longo prazo podem não ser viáveis.

Uma sugestão que apresentou é a transferência de cavernas no norte do país. “A ciência mostra que as florestas de sobreiro não sobreviverão”, disse ele, explicando que não serão doenças que as matam, mas a falta de água, que irá extinguir as árvores no Alentejo. Poderá vir a ser um deserto

Para manter a produção de cortiça, ele disse: “Seria prático ajudar as espécies a se estabelecerem em altitudes mais altas e movê-las para o norte”, mesmo que para os locais que este ano foram afetados pelos incêndios.

Carlos Pinto de Sá, prefeito do Conselho de Évora, a maior cidade do Alentejo, disse que preferiria ter uma “visão global” sobre o assunto, afirmando que, diante de um “problema planetário e estrutural, as respostas devem ser planetárias e estruturais porque eles não são resolvidos a nível local ou nacional “, embora ele tenha acrescentado que isso não significa que as autoridades locais não possam desempenhar um papel na resolução de problemas.

Entretanto, o ministro do Ambiente de Portugal, João Pedro Matos Fernandes, disse na mesma reunião que a possibilidade de dividir a água em Portugal devido ao atual estado de seca não passa de “uma hipótese teórica”. Ele argumentou que não faz sentido pensar em tais medidas neste momento, porque elas deveriam ser apenas um último recurso.

O ministro respondeu às perguntas dos jornalistas, alertados pelos comentários de seu próprio secretário de Estado, Carlos Martins, em entrevista ao jornal “eu” publicado na terça-feira, no qual o secretário estadual sugeriu que o governo poderia introduzir o racionamento da água à noite.

Em poucas palavras, Ministro Fernandes efetivamente demitiu essa idéia.  “As medidas de racionalização estão no final do final da linha, e não faz sentido pensar nelas agora”, disse ele, acrescentando: “Estamos fazendo tudo [podemos] para que não haja falta de água, juntamente com as autoridades locais, e é fundamental que as pessoas conservem a água “.

O governo tem repetidamente chamado as pessoas a usar menos água, e disse que está empenhada em garantir que ela sempre estará disponível. No entanto, na quinta-feira, o ministro Fernandes admitiu que o preço da água pode subir devido a falta de estoque.

Portugal esteve em estado de seca moderada a extrema por semanas. Apenas na semana passada, a chuva que caiu durante a primeira metade de novembro foi inferior a um quarto da média usual.

Entre 1 e 15 de novembro, apenas 24% das medições usuais caíram em Portugal e o escritório Met afirmou que o estado de seca duraria pelo menos até o final deste mês. No entanto, com as chuvas, em lugares pesados, que deverão cair em todo o país durante o fim de semana e no início da próxima semana, continua a ser visto se será suficiente para aliviar o país atingido pela seca e se isso será responda as orações do Met Office para um “milagre de novembro”.

 

By Carrie-Marie Bratley in:  http://www.theportugalnews.com/news/sahara-moving-north/43959

Gostou do artigo? Para receber atualizações e novidades, informe seu email no campo abaixo.

[wysija_form id="2"]

Escreva um comentário

Comentário